quarta-feira, 15 de julho de 2009

Armando Bógus por Roseanne Nascimento


Relatório de História do Teatro
Professora Tadica
Teatro Brasileiro



Armando Bógus nasceu em 19 de Abril de 1930 em São Paulo, mesmo dia em que Getulio Vargas filho de Árabes, perdeu a mãe aos 4 anos de idade, então ele e sua irmã foram morar com o seu tio irmão de seu pai, conta que o pai costumava visitar muito o irmão, por causa do grande afeto e também por sua causa e da irmã.
Quando seu pai se casou pela 2º vez foi buscá-los mas seu tio ficou muito magoado, então decidiram que ele iria para um Colégio interno para ver o que acontecia, no Arquidiocesano lá começava a nascer um grande ator, diz que lá encontrou seu 1º grande amigo o Padre Caroço, conta que uma vez quando saiam para ir para casa no final de semana foi até a zona da cidade, só saiu de lá ao amanhecer, quando ele e o amigo perceberam que atrás deles estavam vindo dois padres da escola, não sabiam o que fazer, foi quando passaram na frente de uma igreja entraram e tiveram que assistir a missa toda, e no colégio depois disso os padres não cansavam de fazer elogios à eles, que eram um exemplo de fé dentro e fora do colégio.
Sua primeira peça de grande sucesso foi o “Alto da Compadecida”, na época nenhum diretor queria fazer, porque era uma peça desconhecida, e nenhum grande ator se interessará por ela, então o diretor foi oferecer a um grupo de novos atores por só eles topariam, e o que ninguém esperava aconteceu, o próprio Ariano Suassuna estava presente no dia da estréia, depois disso ficou fácil, alega nunca ter que pedir uma oportunidade, sempre eram oferecidas.
Diz que não concorda com os ensaios de mesa, e estudo da personagem, acha tudo isso perca de tempo, e que brigou varias vezes,
Com Ademar Guerra que acabou sendo o diretor com quem mais trabalhou, sobre alguns posicionamentos, diz também que apóia Procópio Ferreira que rasga o texto e da a cada ator somente a parte em que entra em cena, acha que não importa o que aconteceu à personagem durante a infância e que o ator não tem que estudar sobre a época em que se passa o espetáculo, isso é função do diretor, o ator deve somente subir em cena com o texto decorado e passar a emoção que esta dentro de si, dá o exemplo “se a personagem perde a mãe a única coisa que ele precisa saber é se ele gostava da mãe ou não, se gostava vai chorar muito, se gostava mais ou menos, vai chorar mais ou menos e se não gostava vai rir muito”
O que mais o deixou chateado nos últimos anos no teatro foi a morte de Dina Sfat, e o patrulhamento ideológico que fizeram em cima da Marilha Pêra, aquela multidão do PT passando em frente ao teatro onde ela estava se apresentado gritando “Marilha Pêra colloriu vá pra puta que pariu”! Ninguém tocou nela, nem chegaram a invadir o teatro, mas teve que ficar detida 2 horas até a multidão se acalmar e ir embora.
Gostaria de fazer um espetáculo com Gianfrancesco Guarnieri com ele mesmo em um dos papeis, e declara “Não posso ser feliz se meu povo não é feliz. Agora o que é felicidade? A felicidade é você poder aproveitar dos momentos bons, e isso eu soube fazer muito bem”.
Armando Bógus morreu em 2 de maio de 1993 aos 63 anos.

2 comentários:

mab disse...

Caso interesse , tenho muitas história pra contar

Att

marco a bógus

Tadica Veiga - Cia dos Ventos disse...

Sim, Marco temos muito interesse em saber suas histórias.